A AUTORIDADE DA B√ćBLIA E OS ASPECTOS DA REVELA√á√ÉO DE DEUS

LEITURA B√ćBLICA B√ĀSICA: Salmos 119.1-8

O que significa a “autoridade da B√≠blia? A B√≠blia √© infal√≠vel? As respostas para essas perguntas s√£o indispens√°veis para quem Estudo a B√≠blia e a Tem como a sua regra de f√© e pr√°tica.

 

1. A AUTORIDADE DA B√ćBLIA

“A autoridade da B√≠blia n√£o prov√©m da capacidade de seus autores humanos, mas do car√°ter de seu Autor Divino, isto √©, Deus”.

 

1. 1. O que √© “autoridade da B√≠blia”? .

A) Definição etimológica.

Oriunda do voc√°bulo latino autoritatem, esta palavra significa: Direito absoluto e inquestion√°vel de se fazer obedecer, de dar ordens, de estabelecer decretos e, de acordo com estes,  tomar decis√Ķes e agir a fim de que cada decreto seja rigorosamente observado.

B) Definição teológica.

Poder absoluto e inquestionável reivindicado, demonstrado e sustentado pela Bíblia em matéria de fé e prática. Tal autoridade advém-lhe do fato de ela ser a inspirada, inerrante e infalível Palavra de Deus (2 Timóteo 3.16,17).

 

1.2. Testemunho da Bíblia a respeito de sua autoridade.

Leia as seguintes passagens: Is 8.20; 30.21; 1 Co 14.37.

 

Como filhos de Deus, não podemos afastar-nos jamais das Sagradas Escrituras; destas, todos dependemos vitalmente. Quanto mais as lermos, mais íntimos seremos de seu Autor.

 

Se você realmente deseja um avivamento, comece a ler com redobrado fervor o Livro dos livros. Sem a Bíblia não pode haver avivamento.

 

1.3. O Antigo é o Novo Testamento.

 

A) O Antigo Testamento - A Bíblia é autoritária, porque é divinamente autorizada; nas suas palavras: "Toda Escritura é inspirada por Deus" (2 Tm 3.16, NAA). De acordo com essa passagem, todo o Antigo Testamento (ou qualquer trecho dele) é inspirado por Deus.

 

B) O Novo Testamento – O Novo Testamento cont√©m indica√ß√Ķes de que seu conte√ļdo deve ser encarado, e de fato o era, como n√£o tendo menos autoridade do que o Antigo Testamento.

 

Os escritos do ap√≥stolo Paulo s√£o catalogados com "as outras Escrituras" (2 Pe 3.15,16). Sob o t√≠tulo "Escritura", 1 Tim√≥teo 5.18 cita Lucas 10.7 ao lado de Deuteron√īmio 25.4 (compare 1 Co 9.9). Al√©m disso, o Apocalipse reivindica   origem   divina (Ap 1.1-3) e emprega o termo "profecia" no sentido do Antigo Testamento (Ap 22.9,10,18).

 

Os apóstolos não faziam distinção entre seus ensinamentos falados e escritos, mas expressamente declaravam sua proclamação inspirada como Palavra de Deus (1 Co 4.1; 2 Co 5.20; 1 Ts 2.13).

 

2. DOIS ASPECTOS DA REVELAÇÃO DE DEUS

Revelação é a manifestação que Deus faz de Si mesmo e a compreensão da mesma manifestação por parte dos homens.

2.1. A revelação de Deus divide-se em geral e especial.

A) REVELA√á√ÉO GERAL DE DEUS: √Č endere√ßada e acess√≠vel a toda criatura inteligente, e tem por objetivo persuadir a alma a buscar o verdadeiro Deus.

ONDE OCORRE A REVELAÇÃO GERAL DE DEUS:

(1) Na Natureza: O salmista e rei Davi viu na natureza uma revela√ß√£o  de Deus (Sl 19.1).

Veja: Jó 12.7-9; Sl 8.1,3; 19.1-3; Is 40.12-14; At 14.15-17; Rm 1.19-21.

Finalidade: Sua finalidade é incitar o homem a buscar o Deus verdadeiro, para receber mais luz.

 

(2) Na hist√≥ria de na√ß√Ķes: Tais como o Egito, Ass√≠ria, etc., e, muit√≠ssimo mais, na espantosa hist√≥ria da Israel. Sl 75.6-8; Pv 14.34; At 17.2-4; Rm 13.1.

 

Embora Deus possa usar uma nação mais ímpia para castigar uma menos ímpia, ao final ele terá castigado mais a mais ímpia Hc 1.1 2.20. A história bíblica foi escrita para revelar Deus na história, isto é, para ilustrar a obra de Deus nos negócios humanos (Sl 75.7; Dn 2.21 e 5.21).

 

(3) Na Consci√™ncia:  Rm 2.14-16. A consci√™ncia √© um instinto que faz com que nos julguemos √† luz das leis morais.

 

"Consciência" é uma das palavras prediletas de Paulo, e ele a emprega duas vezes no Livro de Atos (23.1; 24.16) e 21 vezes em suas epístolas.

 

O termo significa "conhecer com, ou saber em conjunto com". A consciência é o "juiz" ou a "testemunha" interior que aprova quando fazemos o que é certo e reprova quando fazemos o que é errado (Rm 2.15).

 

A consci√™ncia n√£o determina os padr√Ķes, apenas os aplica. Se um ladr√£o denunciasse os companheiros de crime, sua consci√™ncia o condenaria tanto quanto a consci√™ncia de um crist√£o o perturbaria, se ele mentisse sobre seus amigos. Sejam bons ou maus, certos ou errados, a consci√™ncia apenas aplica os padr√Ķes √†s pessoas.


CONSCI√äNCIA LIMPA E CONSCI√äNCIA M√Ā.

(1) CONSCIÊNCIA LIMPA - A consciência pode ser comparada a uma janela que deixa penetrar a luz. A Lei de Deus é a luz; quanto mais limpa a janela, mais luz deixará entrar. À medida que a janela fica suja, a luz é ofuscada e, por fim, se transforma em trevas. Uma "boa consciência" ou uma "consciência limpa" (1 Tm 3.9) é aquela que deixa a luz de Deus entrar, de modo 'que sejamos convencidos da culpa, se fizermos algo errado, e encorajados, se fizermos o que é certo.

 

(2) CONSCI√äNCIA M√Ā -  A consci√™ncia "contaminada" (1 Co 8.7) √© aquela contra a qual se pecou com tanta frequ√™ncia a ponto de n√£o ser mais confi√°vel. Se o indiv√≠duo persiste em pecar contra a consci√™ncia, pode desenvolver a chamada "m√° consci√™ncia" (Hb 10.22) ou "consci√™ncia cauterizada" (1 Tm 4.2). Nesse caso, sente-se culpado ao fazer a coisa certa, n√£o o que √© errado!

 

B) REVELA√á√ÉO ESPECIAL DE DEUS: Abrange os atos de Deus pelos quais ele se fez conhecer e √† sua verdade, em ocasi√Ķes especiais e a pessoas espec√≠ficas, mas quase sempre para o benef√≠cio de todos. √Č necess√°ria porque o homem n√£o respondeu √† revela√ß√£o geral. Rm 1.20-23,25; 1Co 1.21; 2.8.

 

C) ELA OCORRE:

1) Em Cristo, a suprema revelação de Deus (Cl 1.15; 2:9; Hb 1.3), necessária porque o homem não respondeu às outras Hb 1.1-3. Cristo é a melhor prova da: existência, natureza, e vontade de Deus!

2) Nas Experiências Pessoais de Certos Homens, Como Enoque Gn 5.24; Ananias At 9.10.

 

3) Em milagres: eventos fora do usual e natural, realizando uma obra √ļtil, revelando a presen√ßa e poder de Deus, visando trazer homens a Cristo (Jo 20.30-31; Ex 4.2-5 [Deus transformou vara em cobra] contraste 7.1-2 - imita√ß√£o, desmascarada).

4) Em Profecias, isto é, predição de eventos, só possível pela comunicação direta da parte de Deus Is 44.28-45.1.

 

Se algu√©m quiser contestar a exist√™ncia de profecias, mostre-lhe as profecias  cumpridas em Cristo (Sl 22.14-18; Is 53.4-6 ), mostre-lhe que se ele crer no Profetizado Emanuel, aceitar√° todas as profecias da B√≠blia.

 

5) Nas Escrituras РA Bíblia é a revelação de Deus à humanidade. Tudo que Deus tem para o homem e requer do homem, e tudo que o homem precisa saber espiritualmente da parte de Deus quanto à sua redenção, conduta cristã e felicidade eterna, está revelado na Bíblia.

Artigo: Ev. Jair Alves

Atenção!

A continuação deste Estudo Bíblico está na Revista Digital Cristão Alerta РAcesse Aqui


Share: